O tratamento alternativo com acupuntura em portadores de transtorno do déficit de atenção com hiperatividade – TDAH

Resumo O presente artigo revisa o tema sobre o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) abordando como forma de tratamento alternativo através da acupuntura a fim de amenizar o quadro clínico de hiperatividade/impulsividade através da estimulação dos pontos chaves utilizados pela acupuntura. O trabalho apresenta os principais conceitos que embasam a acupuntura, como sua forma de aplicação. Na acupuntura aplicamos agulhas que levarão estímulos através da pele inseridos em pontos específicos para tratar os sintomas que acometem os transtornos neuropsicológicos. Esta síndrome é caracterizada por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade que iremos tratar por meio da acupuntura. Foram consultadas as bases eletrônicas Bireme, Scielo com artigos publicados nas última três décadas. Palavras-chave: Acupuntura; tratamento; transtorno; hiperatividade. 1. Introdução Hoje em dia, está mais visível às síndromes que acometem a juventude, como a distração, a impulsividade, a hiperatividade entre outros sinais, vem se mostrando um dos grandes males que afetam a humanidade. Frequentemente, todos nós conhecemos alguém que vive ou já viveu dificuldades em relação a estas oscilações. A dificuldade em criar definições para estas alterações comportamentais é que elas acabam sendo limitativas sobre o conhecimento que temos daquele assunto em um dado momento. O transtorno de déficit de atenção com hiperatividade, conhecido como a sigla, TDAH, é um conjunto de sintomas quem envolvem a hiperatividade física e motora. O TDAH se mostra com instabilidade emocional e desorganização dos demais indivíduos quando comparados num mesmo ambiente. O comportamento do portador de distúrbio do déficit de atenção, também conhecido como DDA, surge de um trio de base alterada formado por alterações de atenção, impulsividade e hiperatividade. Essa tríade oscila entre um universo de plenitude criativa e exaustão, de um cérebro que não pára nunca. Tendo este fator como a grande polêmica acerca de suas características e tratamentos, o presente artigo, apresenta a acupuntura como uma forma de tratamento alternativo, a fim de amenizar o sintoma de hiperatividade presente nos portadores do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH. Nesta revisão literária, iremos abordar o dentro do universo do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, seu conceito, destacar as características de tríade que compõe a síndrome, de que forma o portador adquiriu, qual o ambiente que estava exposto, como a fase da vida que houve o trauma neuropsicológico. 1 Pós-graduanda em: Acupuntura. 2 Orientador: Fisioterapeuta Especialista em Metodologia do Ensino Superior; Mestrando em Bioética e Direito em Saúde. 2 A clareza deste artigo facilitará a compreensão e interpretação do tratamento alternativo utilizado, conceitos básicos sobre a acupuntura, a origem da Medicina Tradicional Chinesa, definições, aspectos históricos e a forma que é utilizada. Baseado nos conhecimentos a cerca do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e o tratamento em pauta, iremos abordar a terapêutica utilizando a acupuntura para verificar os pontos que devem ser estimulados para minimizar o sintoma de hiperatividade tanto na criança como no adulto, como fonte primária do seu distúrbio, analisar a frequência do tratamento para se notar os resultados, estudar os portadores com hiperatividade que se encaixam no tratamento, de acordo com as características citadas pelos autores citados no artigo. O trabalho desenvolvido vem a somar ao conhecimento atual relativo aos estudos feitos sobre a Acupuntura na Medicina Tradicional Chinesa e sua interação com patologias neuropsicológicas com o intuito de despertar para novas visões de tratamento, para melhorar os sintomas primários assim como os secundários, dos portadores de TDAH, visando amenizar a síndrome, para que o indivíduo possa ter uma vida social plena. 2. Revisão de Literatura 2.1. MEDICINA TRADIOCIONAL CHINESA A acupuntura é uma especialidade desenvolvida na China e, de acordo com a nova terminologia da Organização Mundial da Saúde (OMS) é um método de tratamento complementar no ramo da medicina tradicional chinesa com o objetivo de harmonizar o fluxo de energia vital (Qi ou Ki para os japoneses e Ch’i ou Chi para os chineses) e oferecer ao organismo condições de se autorregular (SILVA). Essa técnica chegou ao Brasil na década de 50 e nos anos 80 foi reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como método eficaz no tratamento de diversas doenças Etimologicamente, a palavra acupuntura significa “punção com agulha”. O nome refere-se à técnica de inserção de agulhas em determinados pontos da pele, de forma a intensificar ou retardar o fluxo energético. (BICUDO, 2005) Segundo Wagner Luiz Garcia Teodoro, autor do livro Depressão, corpo, mente e alma, foram traçados no corpo humano doze meridianos principais, posicionados simetricamente dos dois lados do corpo e dois meridianos conhecidos como artérias, que percorrem o eixo do corpo nas suas faces anterior e posterior. De acordo com os fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa, o autor Alexander Raspa da Silva, diz que a energia vital (Chi ou Qi) se manifesta sob dois aspectos principais: Yang e Yin. A energia Yang produz calor, expansão, ascensão e o aumento das atividades. A energia Yin produz frio, isolamento, declínio, repouso e diminui as atividades. Representam polaridades energéticas e devem estar com seu fluxo em equilíbrio. (SILVA). O excesso de energia Chi manifesta-se na forma de dor, tensão, calor, ansiedade, azia, insônia, hipertensão, etc. A falta de energia Chi provoca a sensação de frio, pressão baixa, falta de apetite, sonolência, depressão, fraqueza, etc (BICUDO, 2005). Apesar da energia Qi ser única, podemos classificá-la em 3 tipos, segundo suas funções: A energia ancestral ou Yuan Qi, nasce da união do óvulo com o espermatozoide e traz o código genético para cada ser. Ela decresce durante a vida e seu esgotamento é responsável pela morte não acidental. Yuan Qi se encontra principalmente na região inferior do abdômen, estando presente também em todas as células do corpo. A energia ancestral, após o nascimento, ainda precisa ser completada pelo Qi da nutrição. A energia da alimentação ou Yong Qi é a energia proveniente do ar (Yeung Chi) e dos alimentos (Kou Chi). A energia defensiva ou Wei Chi é responsável pela proteção e defesa do organismo, ou seja, imunidade. O Triplo Aquecedor (T.A) ou Triplo Reaquecedor (T.R.) é conhecido também como três forneiros, três queimadores e três sedes de energia. Quanto ao T.A, devemos entender uma 3 função tripla que inclui o sistema respiratório, digestivo e gênito-urinário. (SILVA, Alexander). O T.A. tem por função manter a vida pela integração ao corpo humano da energia absorvida do ar e dos alimentos. O Yuan Qi passa pelo T.A e em cada nível (superior, médio e inferior), atravessa as vísceras (Zang Fú), provocando atividade funcional de cada uma delas. Desse modo, permite a digestão, a assimilação, a distribuição e a excreção das águas e dos alimentos. (SILVA, 2005). A sede superior se situa no tórax acima do diafragma e é responsável por assimilar a energia do ar, já a sede média, situa-se entre o diafragma e o umbigo, e sua função é produzir energia a partir da absorção 8 dos alimentos e eliminar resíduos da digestão para a sede inferior. A sede inferior situa-se entre o umbigo e o púbis. É também conhecida como campo de Cinábrio, responsável pela reprodução, eliminação de resíduos e elaborar a energia defensiva Wei além de conter a energia ancestral. (SILVA, 2005). Cada estação do ano tem uma energia própria que lhe caracteriza e age predominantemente em cada uma das funções. No verão, o calor e a umidade, no outono a secura, no inverno o frio, na primavera o vento. Sendo normais em suas estações, estas energias são ditas “perversas” quando se manifestam em outra estação, porque afetam de maneira negativa as funções orgânicas. Havendo o desequilíbrio das energias defensivas ocorrem os fenômenos Yang (excesso) quando atuam além da estação e fenômenos Yin (insuficiência) quando aparecem atrasadas. (REQUENA, 1990). Através da interconexão fisiológica entre órgãos e canais, mudanças patológicas dos órgãos podem se refletir nos pontos. Estes sítios de estimulação regulam o balanço do Qi (Yin/Yang) e sangue (Xué). Desobstruir os canais e eliminar os fatores patógenos ou energia perversa ou xié reforça a resistência orgânica e regula a insuficiência (Xu) e os excessos (Shi). (SILVA, 2005). 2.1.1. Trajeto dos meridianos principais Descrito pelo autor Yves Requena, a energia vital ou como se refere, o Chi percorre todo o corpo através de canais de energia chamados de meridianos, situados sob a pele e que irrigam órgãos e vísceras. Em sua obra Acupuntura e Psicologia, o autor relaciona todos os meridianos e seus conceitos. São eles: – Meridiano do pulmão – Situado abaixo da fossa subclavicular, ao longo da face ânterolateral do braço, face radial e palmar do antebraço, passa sob a artéria radial e termina no ângulo ungueal externo do polegar. – Meridiano do intestino grosso – Localizado no leito ungueal externo do dedo indicador, ascende pelo dorso radial da mão, entre os músculos extensor longo e curto do polegar. Sobe até o dorso lateral do cotovelo, continua no braço pela borda lateral domúsculo bíceps braquial e tríceps braquial até o ombro. Segue para a região supraescapular, volta para a fossa supraclavicular, sobe pela borda lateraldo músculo esternocleidomastóideo até a mandíbula, cruza o plano sagitalmediano acima do lábio superior até o seu último ponto, que fica nocruzamento da linha inferior do nariz e da linha nasolabial. – Meridiano do Estômago – Origina-se lateralmente à asa do nariz, penetra pelo arco dentáriosuperior e sai pela pálpebra inferior do olho, onde se localiza o primeiro ponto desse meridiano. Desce pelo ângulo da boca até a mandíbula. Um ramo sobe passando pelo ângulo mandibular, arco zigomático na frentedo ouvido, testa (osso frontal), até a implantação de cabelo. O ramo principal desce pelo lado ântero-lateral do pescoço ao longo do lado medialdo músculo esternocleidomastóideo até a fossa supraclavicular, onde se divide em dois ramos. Um superficial e outro profundo. O ramo profundo desce ao longo do esôfago, passa pelo diafragma até a região do estômago, e tem um ramo que o liga com o órgão baço-pâncreas. O ramo superficial desce pela linha do mamilo, atravessa a lateral domúsculo reto abdominal até a região inguinal, na lateral do osso púbico. Desce pela borda medial da artéria femural, 4 seguindo pela região ântero-lateral da coxa, desce pela borda lateral do músculo reto femural, passa lateralmente à patela, atingindo a face ântero-lateral tibial, até o dorso dopé, entre os tendões do músculo extensor longo do hálux e extensor longodos dedos, passa entre o segundo e terceiro metatarso, chegando aosegundo artelho no ângulo ungueal externo. (REQUENA,1990) – Meridiano do baço-pâncreas – Começa no ângulo ungueal interno do hálux, sobe ao longo do lado medial do mesmo, primeiro metatarso, até o maléolo interno. Continua pela borda póstero-medial da tíbia, passa pela face medial do joelho, e sobe pelo lado medial da coxa até a região da virílha, de onde percorre a região ântero-lateral do abdômem e pela face lateral do tórax até o nível da axila. (SILVA) – Meridiano do coração – O ramo principal sai do coração e sobe pelo pulmão até o centro da fossa axilar onde se situa o primeiro acuponto do meridiano. Desce na face medial do braço, epicôndilo medial do cotovelo e pelo lado medial do músculo flexor ulnar do carpo. Passa pelo pulso entre o quarto e quinto metacarpo da mão e chega a seu último ponto, situado no ângulo ungueal externo do quinto dedo. (SILVA) – Meridiano do Intestino delgado – Inicia-se no ângulo ungueal interno do quinto dedo, sobe pela faceulnar da mão, punho, e antebraço. Passa pelo lado medial do olécrano, subindo pelo lado ulnar do músculo tríceps braquial até a borda póstero-lateral do ombro. Passa ao longo da escápula e cruza até a fossasupraclavicular, sobe o lado postero-lateral do músculoesternocleidomastoideo, vai até o ângulo lateral do olho, e termina na frentedo ouvido, na depressão que se forma atrás da articulação temporo-mandibular quando a boca está aberta. – Meridiano da bexiga – Inicia-se no ângulo medial dos olhos, sube pela região frontal, parietale occipital do seguimento cefálico. Da nuca, ao nível da implantação doscabelos, se divide em dois ramos. Um desce ao longo dos músculos paravertebrais até a região sacroilíaca, musculatura glútea, por trás dacoxa até a fossa poplítea. O outro desce pelo lado medial da escápula, atéos glúteos, passa por trás da região trocanteriana e desce pelo músculo bíceps femural até a fossa poplítea, onde se une ao primeiro ramo. Desce aregião posterior da perna pelo músculo gastrocnêmio, passa entre o tendãode Áquiles e o maléolo externo, até a borda lateral do pé, terminando no ângulo ungueal externo do quinto dedo. (SILVA) – Meridiano dos rins – Nasce na planta do pé. Seu primeiro ponto fica posteriormente à articulação metatarso falangeano entre o segundo e terceiro metatarso, ascende pelo lado inferior medial da cabeça do primeiro metatarso, seguindo pelo lado medial do osso cubóide, região póstero inferior do maleolo medial e ao longo da borda medial do músculo gastrocnêmio, na região póstero-medial do joelho e medialmente à coxa, ao longo dos músculos adutor e grácil, entra pela pélvis aparecendo novamente no abdômem, correndo ao longo da face medial do músculo reto abdominal, até o tórax, na depressão entre a clavícula e a primeira costela, lateralmente ao manúbrio do esterno. – Meridiano da Circulação-Sexualidade (CS) – Inicia-se no tórax, no quarto espaço intercostal, a uma polegada parao lado do mamilo, e três polegadas abaixo da linha axilar. Desce ao longoda borda medial do músculo bíceps braquial, entre o meridiano principal dopulmão e o meridiano do coração, até a face medial do cotovelo. Continua entre os tendões dos músculos palmar longo e flexor radial do carpo. Na mão, ele passa entre o terceiro e quarto metacarpo e termina no terceirodedo, no ângulo unguela externo. – Meridiano do triplo Aquecedor (T.A) – Esse meridiano começa no ângulo ungueal interno do quarto dedo damão, sobe pela face dorsal da mão, entre o quarto e quinto metacarpo,passa pelo punho bem no centro do punho e do antebraço (entre os ossosrádio e ulna). Passa pelo olécrano, corta o tríceps posteriormente até aregião posterior do ombro. Sobe pela região supraescapular e nuca, contorna posteriormente a região auricular e termina lateralmente aosupercílio, onde se liga ao meridiano da vesícula biliar. 5 – Meridiano da vesícula biliar – Tem início a 0.5 polegadas da borda lateral do ângulo externo do olho. Passa a frente do ouvido pela lateral da extremidade cefálica, e desce pela lateral do músculo trapézio até a região supraescapular. Segue para frente do ombro, lateralmente no tórax até o glúteo na região trocanteriana, onde se liga com o músculo da bexiga. Desce pela borda lateral da coxa, perna e face ântero-lateral do tornozelo até a face dorsal do pé, onde passa entre o quarto e quinto metatarso até o ângulo ungueal externo do quarto dedo. Há outro ramo que se separa no lado dorsal do pé, passa entre o primeiro e segundo metatarso até o ângulo ungueal lateral do hálux, onde se liga ao meridiano do fígado. – Meridiano do Fígado – Tem início no ângulo ungueal interno do Hálux, sobe passando entre o primeiro e segundo metatarso. Passa a uma polegada a frente do maleolo interno, na borda medial do tendão do músculo tibial anterior. Cruza omúsculo baço pâncreas no ponto Bp6 e sobe pela face ântero-medial da perna. Segue pelo lado medial do joelho e coxa para a região genitalexterna e suprapúbica. Sobe pela lateral do abdômem até a reborda costal, na borda inferior do ponto final da décima primeira costela, e termina no espaço entre a sexta e sétima costela, na linha mamilar. 2.2. TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE – TDAH O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é uma síndrome neurobiológica, de causas genéticas crônica, que aparece na infância e acompanha o individuo até sua fase adulta. Caracteriza-se pela tríade sintomatológica de desatenção, hiperatividade e impulsividade, causando prejuízos a si mesmo e aos outros em pelo menos dois contextos diferentes, durante seu crescimento familiar ou no período escolar/trabalho. (GREVET, 2005) De acordo com os estudos de Agra (2011), o Transtorno do Défici de Atenção com Hiperatividade é um compromentimento neuro-comportamental com início cedo, durante o período da infância, fase escolar, evoluindo para um estado crônico e costuma seguir um padrão de desenvolvimento durante toda a vida do indivíduo. Apesar de os índices de prevalência para o TDAH variarem em razão das diferenças entre os gêneros e em relação à fonte responsável pelo encaminhamento da criança, estimativas recentes apontam para índices entre 2 e 5% para crianças e entre 2 e 4% para adultos. (AGRA, 2011). Em adultos, a persistência do quadro ocorre numa parcela de pelo menos 40% daqueles que preenchiam os critérios para o transtorno na sua infância. (GREVET, 2005) Os sintomas de comportamento alterados são normalmente encontrados em pessoas que tiveram uma base de educação familiar/escolar agressiva, mas para haver o diagnóstico desse transtorno a falta de atenção e a hiperatividade devem interferir significativamente na vida e no desenvolvimento normal da criança ou do adulto. (ROHDE, 2000) Quando criança, a hiperatitividade se manifesta com agitação, movendo-se sem parar na sala de aula ou mesmo em sua casa. Em ambientes fechados, as crianças costumam mexer em vários objetos, podendo até chegar a derrubá-los. (SILVA, 2003) Nos adultos, ocorre uma adequação formal da hiperatividade, como o sacudir incessante das pernas, rabiscar constantemente papéis a sua frente, roem unhas, mexem o tempo todo no cabelo, estão sempre ocupados em manterem suas mãos ocupadas. (AGRA, 2011) A hiperatividade mental ou psíquica apresenta-se de uma maneira mais sutil, mas não menos importante quanto a física. O adulto com hiperatividade mental ele costuma interromper o outro indivíduo várias vezes durante uma conversa, muda de assunto muito rápido, tem dificuldade de dormir durante a noite, um sono regular, poque seu cérebro está agitado a tal ponto que não consegue desligar. (SILVA, 2003) O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana (DSM) contém os critérios clínicos consagrados para o diagnóstico do TDAH. Basicamente, o DSM usa como critérios, o número, frequência e severidade dos sintomas de hiperatividade, impulsividade e desatenção. (CORDEIRO, 2003) 6 Segundo Agra, (2011), é essencial que para confirmar o diagnóstico é necessário que os sintomas primários estejam presentes antes dos sete anos de idade, seis (ou mais) dos seguintes sintomas de desatenção persistiram pelo período mínimo de seis meses, em grau mal adaptativo persistentes por no mínimo seis meses, observados em dois ou mais ambientes (escola e casa), e que principalmente causem um prejuízo significativo no funcionamento acadêmico, social e ocupacional dos seus portadores. O indivíduo deve preencher critérios em pelo menos 6 itens de desatenção (tipo desatento) ou 6 itens de hiperatividade e impulsividade (tipo hiperativo), ou com itens dos dois (tipo combinado). Temos que afirmar que a presença dos sintomas somente em casa ou somente na escola não qualifica o diagnóstico do TDAH. Relacionamos a seguir os sintomas diretos que se manifestam nos grupos estudos e citado nos estudos apresentados por Agra (2011): 1º- Grupo: Instabilidade da atenção a) Desvia facilmente sua atenção do que está fazendo, quando recebe um pequeno estímulo. b) Tem dificuldade em prestar atenção a fala dos outros. Numa conversa com outra pessoa tende a captar “pedaços” soltos do assunto. c) Desorganização cotidiana. Tende a perder os objetos (chaves, celular, canetas), costumar atrasar-se aos compromissos, esquecer o dia de pagamento das contas. d) Apresenta esquecimento durante uma conversa. e) Tendência a interromper a conversa várias vezes. E fala sem esperar que o outro complete o raciocínio. f) Costuma cometer erros de fala, escrita ou leitura. Esquece uma palavra no meio da frase. g) Presença de hiperfoco (concentração intensa em um único assunto num determinado período). h) Dificuldade de permanecer em atividades obrigatórias de longa duração. i) Interrompe tarefas no meio. Não consegue terminar de ler um artigo, ou revista até o fim. 2º- Grupo: Hiperatividade física e/ou mental a) Dificuldade em permanecer sentado por muito tempo. Durante uma palestra ou até numa sessão de cinema, mexe-se o tempo todo. b) Estão sempre mexendo os pés ou as mãos, conhecidos como “pés nervosos”. c) Sensação de inquietação ou ansiedade. Sempre com a sensação de que tem algo a fazer ou pensar, de que alguma coisa está faltando. d) Tendência de está sempre ocupado com alguma problemática em relação a si e aos outros. e) Costuma fazer várias coisas ao mesmo tempo. É a pessoa que lê e v6e tv ou ouve música simultaneamente. f) Acaba tendo várias ideias ao mesmo tempo, mas, não termina nenhuma delas, em função da dispersão. g) Fala sem parar, monopolizando as conversas em grupo. 3º- Grupo: Impulsividade a) Baixa tolerância ã frustração. Quando quer algo não consegue esperar, se lança impulsivamente numa tarefa, mas como tudo requer tempo e dedicação, logo desanima e perde o interesse. b) Costuma provocar situações constrangedoras, por falar o vem à mente, sem filtrar o que será dito. 7 c) Impaciência na hora de aguardar algo. Filas, telefonemas, atendimento em lojas, podem ser uma tortura. d) Impulsividade para comprar, sair de empregos, romper relacionamentos. e) Reage irrefletidamente às provocações, criticas ou rejeições. É a pessoa que explode de raiva ao sentir-se rejeitada. f) Sexualidade instável. Tende a presentar períodos de grande impulsividade sexual alternados com fases de baixo desejo. g) Mudanças bruscas e repentinas de humor (instabilidade de humor). O TDAH costuma mudar seu humor várias vezes durante o dia, dependendo dos acontecimentos externos ou do seu estado cerebral. h) Tendência a ser muito intuitivo e criativo. Podendo se manifestar em diversas áreas do conhecimento. 4º – Grupo: Sintomas Secundários a) Tendência a ter um desempenho profissional abaixo do esperado para sua real capacidade. b) Baixa autoestima. Desde muito cedo o TDAH sofre repreensões e criticas negativas. c) Dependência química, uso abusivo e impulsivo de álcool e drogas por vários anos. d) Depressões frequentes. Ocorre em geral por uma exaustão cerebral associada as frustrações provenientes de relacionamentos mal-sucedidos e fracassos profissionais e sociais. e) Intensa dificuldade em manter relacionamentos afetivos. f) Demora excessiva para iniciar ou executar um trabalho. g) Tendência a apresentar um lado infantil, que aparecerá por toda a vida, na forma de brincadeira, humor refinado, caprichos. h) Tendência a inversão dos horários de dormir, viciando-se em alguns tipos de hipnóticos. i) Hipersensibilidade a ruídos, principalmente se repetitivos. j) Tendência a exercer mais de uma atividade profissional. Cordeiro (2008), propõe uma classificação do TDAH em 4 subcategorias, de acordo com os sintomas prevalentes e as dificuldades funcionais: a) TDAH predominante desatento: presença de seis ou mais sintomas de falta de atenção. b) TDAH predominante hiperativo/impulsivo: presença de seis ou mais sintomas de hiperatividade e impulsividade. c) TDAH tipo combinado: presença de seis ou mais sintomas de desatenção associados a seis ou mais sintomas de hiperatividade e impulsividade. d) TDAH em remissão parcial: termo usado para indivíduos (geralmente adolescentes e adultos) que não teriam o mínimo de sintomas, mas que mesmo assim apresentam comprometimento funcional significativo. De acordo com a autora Silva (2003), uma pessoa apresenta desatenção, a ponto de ser considerado como transtorno de déficit de atenção, quando tem a maioria dos seguintes sintomas ocorrendo a maior parte do tempo em suas atividades. A autora Ana Beatriz Silva, relaciona todas as características para classificar um indivíduo com TDAH. São eles: a) Não dar atenção devida a detalhes b) Cometer erros típicos de descuido no trabalho ou em outras atividades c) Ter problemas em manter atenção em tarefas ou atividades d) Parecer não dar ouvidos quando lhe dirigem a palavra e) Não seguir instruções e falhar em concluir pequenas tarefas ou obrigações no trabalho 8 f) Frequentemente tem problemas organizando atividades g) Evitar não fazer trabalhos que exijam tempo e esforço mental h) Frequentemente perde objetos necessários para as tarefas e atividades (ferramentas, brinquedos, canetas, livros, etc) i) Frequentemente se distrai j) Frequentemente esquece atividades do dia-a-dia Outra característica que Ana Beatriz comenta no seu livro Mentes Inquietas é o fato que afeta a dos portadores de TDAH. É quando uma pessoa apresenta o transtorno de hiperatividade na maioria dos seguintes sintomas tornarem-se uma ocorrência constante em sua vida: – Agitação das mãos ou pés ou inquietação na cadeira. – Dificuldade em brincar ou se envolver silenciosamente em atividades de lazer – Agir como se estivesse sempre “a mil por hora”, não fica quieto por muito tempo. – Fala excessiva Além dos sintomas anteriores, podem ocorrer outros sintomas relacionados ao que se chamam de impulsividade, a qual estaria relacionada aos seguintes aspectos: – Dar respostas precipitadas antes das perguntas serem completadas. – Ter dificuldade em aguardar sua vez – Interromper ou se meter em assuntos de outros – Eis alguns sintomas em que iremos tratar através da terapia alternativa, acupuntura: – Dificuldade em manter a atenção centrada no trabalho – Dificuldade em concentrar-se em conversações – Dificuldade em terminar projetos já iniciados – Dificuldade em organizar-se de forma a concluir as tarefas – Evitar ou adiar o início de projetos que requerem esforço mental – Frequentemente guarda em locais inapropriados ou perder objetos em casa ou no trabalho – Distrair-se devido a outras atividades ou ruídos – Dificuldade em lembrar-se de compromissos ou obrigações São vários os motivos que mostram ser de grande importância médica fazer o diagnóstico e se tratar a criança (ou o adulto) com o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. (CORDEIRO, 2008). É importante se fazer o tratamento desse transtorno para que a criança não cresça estigmatizada como o “bagunceiro da turma” ou como ou “vagabundo”, ou como o “terror dos professores”. Para que a criança não fique durante anos com o desenvolvimento prejudicado na escola e na sua vida social, atrasado em relação aos outros colegas numa sociedade cada vez mais competitiva. Fazer o tratamento do transtorno é tentar minimizar as consequências futuras do problema, como a propensão ao uso de drogas (o que é relativamente frequente em adolescentes e adultos com o problema), transtorno do humor (depressão, principalmente) e transtorno de conduta. (SILVA, 2003) 3. Metodologia Este trabalho foi realizado através da revisão bibliográfica de dados colhidos sobre a medicina tradicional chinesa com ênfase na técnica da acupuntura no tratamento alternativo para os portadores do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Estes dados foram obtidos por meio de acervo de livros particulares, artigos publicados em revistas cientificas periódicas e artigos publicados em revistas online da área médica como Scielo, MedLine, Google Acadêmico. Realizamos pesquisas a cerca das palavras-chave que dominaram a pesquisa como acupuntura, tratamento, déficit de atenção, hiperatividade. 4. Resultados De acordo com a base do diagnóstico realizado no tratamento com a acupuntura está na observação dos sinais e sintomas do paciente, uma vez que observando o exterior refletem a condição dos sistemas internos. O mecanismo de ação da acupuntura tem sido associado ao 9 estímulo neuro-humoral para a liberação de certas substancias como norepinefrina, endorfina, serotonina e a liberação ou inibição de algumas substâncias que atuam na sensação da dor. Também há o envolvimento nos mecanismos de vasoconstrição ou vasodilatação que resultam no aumento de células leucocitárias. (BICUDO, 2005) De acordo com Silva (2005), a existência dos meridianos parece está associada ao tecido conectivo frouxo, que seria responsável pela condução do estímulo causado pelas agulhas pressionadas na pele. Podemos utilizar para classificar o diagnóstico de um individuo com alteração neuropsicológica por meio da observação do comportamento observando a maneira como o paciente se movimenta, considerando o corpo como um todo e cada parte dele individualmente (olhos, face, boca, membros e dedos). De acordo com os estudos desenvolvidos pela Dra. Sabrina Percário, o diagnóstico é feito através da soma do relato do paciente com a análise do microssistema, observando a função dos meridianos e através da linguagem não verbal (postura, tez, voz). Pulso Esquerdo Pulso Direito Nível 1 (P9) Superficial: Intestino delgado……………………………Intestino Grosso Profundo: Coração…………………………………………..Pulmões Nível 2 (P8) Superficial: Vesícula Biliar………………………………..Estômago Profundo: Fígado ……………………………………………Baço Médio: …………………………………………………………..Pâncreas Nível 3 (P7) Superficial: Bexiga ………………………………………….T.A Profundo: Rins ……………………………………………….C.S Fonte: Fundamentos da Medicina Chinesa. (Alexander Raspada Silva) Entende-se por superficial o que se percebe com pressão leve do dedo no local indicado; nível médio se percebe com uma pressão pouco mais acentuada; profundo com forte pressão. 6. Discussão A acupuntura é uma técnica chinesa que vem sendo usada há milênios e hoje, por meio de pesquisas científicas, relatado por Vectore (2005). Criava-se um mito a respeito da técnica, que a mesma, não possuia fundamento científico, uma vez que sua utilização como forma de pagamento baseava-se em conceitos filosóficos, como a teoria Yin-Yang, teoria dos cinco elementos, dos meridianos e da enrgia vital, Silva (2008). A mudança de conceitos sobre a acupuntura muda quando a técnica chega ao Ocindente e começam a serem realizados estudos comprovando sua eficácia. De acordo com o artigo, a técnica aplica uma pressão por meios de agulhas de metal em pontos localizados sobre a região da pele que possuem uma menor resistência elétrica basal (REQUENA,) e que os potenciais elétricos dessas áreas variam sobre a influência de fatores patológicos, emocionais e até mesmo ambientais. Mas, estes pontos têm propriedades diferentes com outras regioes do corpo por se localizarem em pontos mais vascularizados, com maior concentraçao de terminações nervosas. (BICUDO, 2005) De acordo com os autores que utilizamos para realizar o artigo, mostraram que alguns pontos estimulados podem equilibrar os sintomas que o portador de TDAH queixa-se no consultório, por meios de sessões sequencias, a fim de amenizar suas característas já mencionadas texto acima. Segundo fonte consultada como o autor, Alexander Raspa da Silva, ele afirma que pressionando cada ponto com agulhas de aço de forma superficial, cada ponto, podemos diminuir a sensação de ansiedade como também a hiperatividade. De acordo com Silva (2005), os pontos estimulados para melhor atenderem ao tratamento da hiperatividade, são estimulados regularmente, numa sessão de 45 minutos, 1 vez por dia, Pulso Esquerdo Pulso Direito Nível 1 (P9) Superficial: Intestino delgado……………………………Intestino Grosso Profundo: Coração………………………………………Pulmões Nível 2 (P8) Superficial: Vesícula Biliar……………………………Estômago Profundo: Fígado ………………………………………..Baço Médio: ………………………………………………………Pâncreas Nível 3 (P7) Superficial: Bexiga ………………………………………T.A Profundo: Rins ……………………………………………C.S 10 durante os primeiro 6 meses de tratamento, para que haja, uma regulação dos meridianos e equilíbrio de energia vital. – Deficiência do Coração e do baço – as principais manifestações encontradas são: insônia com dificuldade de iniciar o sono, facilidade de acordar com sonhos excessivos. Logo iremos notar sinais associados a palpitações, transpiração espontânea, face sem brilho, fadiga, fraqueza, fezes soltas. Iremos estimular os pontos B15 (Xinshu), C7 (Shenmen), B20 (Pishu), BP3 (Taibai), BP6 (Sanyinjiao), E36 (Zusanli), VC12 (Zhongwan), VG20 (Baihui) – Hiperatividade do Fogo devido a Deficiência do Yin – Iremos notar: insônia, inquietude, facilidade de acordar após curto período de sono. Sinais associados: sensação de calor nos 5 centros, transpiração noturna, boca e garganta secas, zumbido, tontura, emissão seminal, dor e/ou frqueza na região lombar e joelhos. Iremos estimular: B23 (Shenshu), R3 (Taixi), R10 (Yingu), BP6 (Sanyinjiao), C7 (Shenmen), Anmian, C6 (Yinxi) – Ascensão do Fogo Excessivo do Fígado – Manifestações principais: Insônia, tontura, dores de cabeça, excesso de sonhos. Sinais associados: irritabilidade, facilidade de ficar com medo, vermelhidão ocular, zumbido, gosto amargo na boca, dor na região dos hipocôndrios. Estimular pontos: F2 (Xingjian), F3 (Taichong), B18 (Ganshu), B19 (Danshu), VB34 (Yanglingquan), PC7 (Daling), VB44 (Zuqiaoyin) – Desordem do Qi do Estômago – Manifestações principais: insônia, inquietude. Sinais associados: sensação de plenitude epigástrica, distensão abdominal, eructação, refluxo, tontura, vômito com Mucosidade. Pontos estimulados: VC12 (Zhongwan), E36 (Zusanli), E40 (Fenglong), PC6 (Neiguan), E25 (Tianshu), C7 (Shenmen), VC13 (Shangwan). – Deficiência do Coração e da Vesícula Biliar – Manifestações principais: insônia, excesso de sonhos, possíveis pesadelos. Sinais associados: timidez, indecisão, facilidade de ficar assustado, tontura. B15 (Xinshu), C7 (Shenmen), VC14 (Juque), VC17 (Danzhong), C5 (Tongli), BP6 (Sanyinjiao), B19 (Danshu), VB15 (Toulinqi). – Fogo Exuberante do Coração – Manifestações principais: insônia, ansiedade. Sinais associados: agitação, vermelhidão facial, aumento da sede, urina escassa e escura. Pontos estimulados: B15 (Xinshu), C7 (Shenmen), VC14 (Juque), PC6 (Neiguan), PC9 (Shaochong), PC8 (Laogong). Pelo exame do pulso, constatamos toda perturbação do equilíbrio energético do indivíduo, o que lhe permite aplicar uma terapêutica eficaz que consiste em restabelecer o equilíbrio, trazendo ao organismo o elemento deficiente ou fazendo-o eliminar o excesso. Os pulsos estão situados sobre a artéria radial, de ambos os lados, ao nível da apófise do rádio. 7. Conclusão A acupuntura beneficia gradativamente o paciente porque atinge a causa da patologia, não se trata somente sinais e sintomas, mas promove o reequilibrio orgânico e energético de cada um, por isso a filosofia da acupuntura não é apenas uma cura milagrosa em uma sessão, mas, a cada sessão, pois se acredita que um organismo equilibra o outro. A medicina chinesa considera se baseia em conceitos Taoístas energéticos, os quais enfocam o indivíduo como um todo e como parte integrante do universo. Para ela, o indivíduo é constituído por um conjunto de energias, provenientes do céu e da terra, que fluem por todo do corpo e que devem estar em constante equilíbrio, quando isso não ocorre, temos então a manifestação de patologias. Deve haver um acompanhamento do progresso da terapia, através da família e da escola. Além do tratamento medicamentoso, uma psicoterapia deve ser mantida, na maioria dos casos, pela necessidade de atenção à criança (ou adulto) devido à mudança de comportamento que deve ocorrer com a melhora dos sintomas, por causa do aconselhamento que se deve fazer aos pais e para tratamento de qualquer problema específico do desenvolvimento que possa estar associado. 11 O tratamento envolve o uso de medicação, geralmente algum psicoestimulante específico para o sistema nervoso central, alguns antidepressivos ou outras medicações. Um aspecto fundamental desse tratamento é o acompanhamento da criança, de sua família e de seus professores, pois é preciso auxílio para que a criança possa reestruturar seu ambiente, reduzindo sua ansiedade. Uma exigência quase universal consiste em ajudar os pais a reconhecerem que a permissividade não é útil para a criança, mas que utilizando um modelo claro e previsível de recompensas e punições, baseado em terapias comportamentais, o desenvolvimento da criança pode ser melhor acompanhado. A terapêutica objetiva reestabelecer o fluxo da energia vital pelo organismo, e para isso, lança mão de vários recursos, tais como a acupuntura, com o uso somente de agulhas. A acupuntura como forma de tratamento alternativo, assim como outras terapias complementares, enfrenta dentro do universo de tecnologias científicas, dificuldade quanto a aceitação na sociedade ocidental e no meio profissional cético. Observamos que a acupuntura tradicional busca o equilíbrio do organismo como um todo, e mesmo com sua relevância comprovada por meio de pesquisas, nos mostrou que há patologias em que há necessidade do tratamento ser acompanhado pela medicina tradicional. Mesmo vendo a carência de estudos comprovando a eficácia dos resultados obtidos com a técnica, o trabalho da acupuntura está cada vez mais difundido por todo o mundo. O artigo veio mostrar a possibilidade de melhorar o atendimento padronizado oferecido aos pacientes que buscam nesta forma de tratamento reorganizar suas fontes de equilíbrio de sua energia vital. 5. Referência bibliográfica AGRA, Carlos Martins. VIEIRA, Glauco Fioranelli. Et al. O bruxismo do sono em pacientes portadores de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) – uma revisão da literatura. Journal of Biodentistry and Biomaterials – Universidade Ibirapuera. São Paulo, n. 1, p. 22-30, mar./ago. 2011 Associação Brasileira de Transtorno de Deficit de Atenção. Disponível em: http://www.abda.org.br/br/sobretdah/o-que-e-o-tdah.html>> Acesso em 15.09.2012. BICUDO, F. A química da acupuntura. Pesquisa FAPESP: Ciência e Tecnologia no Brasil. Editora Plural. São Paulo. nº 113, p. 50-53. 2005. CORDEIRO, Mara Lúcia. FARIAS, Antônio Carlos de. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH). Diagnóstico, Etiologia, Tratamento, Prognóstico e Mitos. Pequeno Princípe Neuropediatria. 2008. Disponível em: http://www.neuropediatria.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=124:tdahdiagnostico-etiologia-tratamento-prognostico-e-mitos&catid=60:tdah&Itemid=147. Acesso em 02/11/2012 Doenças, sintomas e condições tratáveis com a acupuntura. Disponível em < http://acupuntura.pro.br/oms/doencas-trataveis/ > Acesso em 03.09.2012 GREVET, Eugenio Horácio. ROHDE, Luís Augusto. Diretrizes e algoritmo para o tratamento do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade na infância, adolescência e Idade adulta. Pp.375. Artmed. Porto Alegre. 2005. Disponível em: http://www.ufrgs.br/psiq/Algoritmo%20%20TDAH.pdf Acesso em: 01/11/2012. IATO – Instituto de Acupuntura e Terapias Orientais do Espírito Santo. Disponível em: > Acesso em: 15.09.2012 LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. Editora Atlas. 7ª Edição. São Paulo. 2007. 12 PERCÁRIO, Sabrina. Acupuntura. Disponível em: http://www.acupunturapercario.com.br/acupuntura.html. Acesso em 24.20.2012 Psicologia e acupuntura: primeiras aproximações. Instituto de Psicologia. Psicol. cienc. prof. vol.25 no.2 Brasília jun. 2005. Disponível em < http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932005000200009 > Acesso em 05.09.2012 REQUENA, YVES. Acupuntura e Psicologia. Organização Andrei Editora Ltda. São Paulo – SP. 1990. ROHDE, Luis Augusto. BARBOSA, Genário. Et al. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Revista Brasileira de Psiquiatria. Rev. Bras. Psiquiatr. vol.22 s.2 São Paulo Dec. 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000600003. Acesso em 10.09.2012 SILVA, Alexander Raspa da. Fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa. Disponivel em: <> Acesso em:10.07.2012 SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes Inquietas: entendendo melhor o mundo das pessoas distraídas, impulsivas e hiperativas. Editora Gente. 30ª Rio de Janeiro. 2003. Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Transtorno_do_d%C3%A9ficit_de_aten%C3%A7%C3%A3o_com_hiperatividade. Acesso em 09.09.2012 Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperativida. Disponível em: http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?420. Acesso em 14.09.2012 TEODORO, Wagner Luiz Garcia. Depressão, corpo, mente e alma. Uberlandia – MG. 2009. VECTORE, Celia. Psicologia e acupuntura; primeiras aproximações. Instituto de Psicologia. Psicol. cienc. prof. vol.25 no.2 Brasília jun. 2005. Disponível em: Acesso em 05.09.2012

 

Autores: Cynthya Barros1 cynthya_barros_hotmail.com Dayana Mejia2 Pós-graduação em Acupuntura – Faculdade Ávila

Fuente: http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/13/44_-_O_tratamento_alternativo_com_acupuntura_em_portadores_de_transtorno_do_dYficit_de_atenYYo_com_hiperatividade_Y_TDAH.pdf

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.